Conteúdos sobre Ganho de Peso e Gravidez

Gravidez em Forma – controle o seu peso na gravidez

16-dez-13

Por Gizele Monteiro – Personal gestante

 

Uma das maiores dúvidas das mamães e como ter sua Gravidez em Forma e dessa forma ter o controle do seu peso na gravidez. Será que é possível controlar o peso durante a gravidez?

O maior temor das mamães é engordar durante a gravidez e não ter o seu corpo de volta após a gravidez.

E-book Gravidez em Forma

E-book Gravidez em Forma

 

Após inúmeros atendimentos, vi a necessidade de ajudar mais gestantes e mamães.

Está nascendo um novo projeto: o Gravidez em Forma, com o selo e fundamentado no conhecimento do Mais Vida Gestantes.

Venha conhecer um pouco mais.

Assista o video e cadastre-se em nosso site para receber minhas dicas.

Video:

Gravidez em Forma

Site: www.gravidezemforma.com.br

Alimentação pode auxiliar na prevenção da depressão na gravidez e pós-parto

29-abr-13

Por: Grupo Stancanelli – Mirtes Stancanelli, Erica Tatiana e Emy Takahashi

A depressão é uma doença que pode ocorrer em qualquer pessoa e merece muita atenção e cuidado.

A alimentação saudável tem sido apontada como um meio de auxiliar na prevenção da depressão na gravidez e pós-parto.

As vezes, a depressão é gerada por um episódio emocional grave, como divórcio, morte de entes queridos, ou pode aparecer aparentemente por nada. Ela também pode ocorrer durante as fases de mudanças da vida como na adolescência, terceira idade, ou na gestação, principalmente no pós-parto.

Alguns pesquisadores tem observado que a alimentação tem uma participação importante para evitar a depressão.

Como uma boa alimentação pode auxiliar na prevenção da depressão?

- Cuidado com o alto consumo de açucares, cafeína e álcool ao longo dos trimestres de gestação;

- Prefira alimentos que contenham baixos teores de gordura. A gordura inibe a síntese de neurotransmissores no cérebro promovendo maior probabilidade à depressão;

- Vitaminas do complexo B são importantes para aqueles que querem se manter física e emocionalmente mais saudáveis. O complexo vitamínico B é importante para produção de serotonina (que influi na regulação do humor). Muitas drogas que incluem o estrógeno podem interferir na absorção de vitamina B6. Na gestação esses hormônios estão elevados para produzir as mudanças gestacionais. Os grupos de verduras, legumes e frutas são ricos nestas vitaminas, intensifique-os na alimentação;

- Uma alimentação pobre em Ômega 3 deixa o sistema nervoso mais vulnerável à depressão. O Ômega 3 é encontrado em peixes como bacalhau, salmão, arenque e  em menores concentrações na soja, castanha e óleo de canola;

- Alimentos que auxiliam no tratamento da depressão: banana, verduras, frutas e peixes.

A prática de exercícios físicos bem como o apoio familiar e uma alimentação equilibrada ajudam a diminuir a ansiedade e também a combater a depressão.

 

Excesso de Peso na Gravidez

01-set-12

Por Gizele Monteiro

Estar com excesso de peso na gravidez pode causar complicações para a mamãe e seu bebê. Quanto maior for o excesso de peso, maiores as chances de complicações na gravidez. Mas saiba que há coisas que você pode fazer antes e durante a gravidez para ajudá-la a ter uma gravidez mais saudável e contribuir para a saúde, boa nutrição e formação do seu bebê!

Para saber se você está com excesso de peso na gravidez, descubra seu índice de massa corporal (IMC) antes de engravidar. O IMC é um cálculo com base no seu peso e altura.

Avaliação do excesso de peso antes da gravidez:

• Se você estiver com sobrepeso, seu IMC é de 25,0-29,9 antes da gravidez.

• Se você está em níveis de obesidade, o seu IMC será de 30,0 ou mais antes da gravidez.

Que tipos de complicações o sobrepeso e obesidade podem causar na gravidez?

Nesses padrões de peso, existe mais chances de ocorrer mais problemas médicos durante a gravidez, que se o peso estiver adequado. Quanto mais acima do peso você estiver, maior o risco de complicações.

Estes problemas incluem:

• Infertilidade – dificultando a mulher de engravidar,

• Aborto espontâneo,

• Mais risco de desenvolver hipertensão, isto é, a pressão arterial elevada e pré-eclâmpsia, uma forma de pressão arterial elevada específica da gravidez. Ela pode causar sérios problemas para a mãe e o bebê.

• A diabetes gestacional – diabetes que algumas mulheres desenvolvem durante a gravidez

• Complicações durante o parto e nascimento, incluindo ter um bebê muito grande ou a necessidade de uma cesariana.

Controlar o peso na gravidez

15-ago-12

Por Gizele Monteiro

Controlar o peso na gravidez é uma grande preocupação das mulheres. Controlar o peso durante a gravidez significa que você deve ganhar o peso suficiente para o crescimento saudável do bebê, e também o peso que seja mais fácil de perder depois que o bebê nasce.

O valor médio recomendado para o ganho de peso saudável na gravidez é em torno de 12 quilos para mulheres que apresentam peso (anterior a gravidez) adequado.

Se você já possui excesso de peso antes da gravidez, você pode ser aconselhada a ganhar um pouco menos do que os 12 quilos. Se você estiver abaixo do peso adequado antes de engravidar, você pode ser aconselhada a ganhar um pouco mais. O médico ou um profissional da nutrição pode ser procurado para certificar-se das mudanças dietéticas específicas para você.

Aqui estão algumas dicas e idéias para controlar o peso na gravidez:

  • Seguir uma dieta saudável e exercício físico regular é a melhor maneira de manter um ganho de peso saudável.
  • Se você acha a gravidez um momento para enlouquecer e comer qualquer coisa e tudo que você deseja, você vai ganhar mais peso.
  • Você não deve comer por dois. Somente no segundo trimestre o bebê necessitará de cerca de 300 calorias por dia acima dos seus normais de calorias na dieta. Esta é quantidade de calorias encontradas em dois copos de leite.
  • Fazer escolhas alimentares saudáveis ​​para ambas as refeições e lanches.
  • Incluir uma variedade de frutas e vegetais frescos, carnes, aves, grãos integrais, produtos lácteos e leite em sua dieta todos os dias.
  • Preste atenção à proteína, cálcio e ferro, que são muito importantes para o seu bebê.
  • Cortar as batatas fritas e refrigerante para lanches.
  • Escolha lanches saudáveis, como iogurte, palitos de cenoura, frutas, granola, etc.
  • Alimentos saudáveis ​​irá ajudá-la a garantir que seu bebê esteja recebendo os nutrientes necessários para o crescimento saudável.
  • Se você trabalha, leve um recipiente com lanches saudáveis ​​para manter em sua mesa.
  • Se você está em casa, mantenha legumes frescos descascados e prontos para comer na geladeira por um lanche rápido.
  • Preste atenção ao que você tem que beber a cada dia. Café, refrigerantes e outras bebidas com cafeína também são cheias de calorias do açúcar. Evite essas bebidas e escolha leite, suco e água.
  • Tente beber pelo menos oito copos de água por dia. Isto irá mantê-la bem hidratada sem o ganho de peso adicional. Se você não gosta de água pura, tente água com algum sabor.

O uso de adoçantes na Gravidez

18-jul-12

Por Dra. Mirtes Stancanelli – Nutricionista

O uso de adoçantes na Gravidez

Os adoçantes hoje fazem parte do dia-a-dia de muitas mulheres, mas será que seu uso deve continuar durante a gravidez?

As substâncias sacarina e ciclamato já são proibidas em alguns países. A primeira não pode ser usada no Canadá e a segunda nos Estados Unidos. Alguns testes feitos em camundongos resultaram em câncer na bexiga dos animais. Não é comprovado o risco em seres humanos, mas os estudos com animais incentivaram a proibição dos adoçantes em alguns países e sua restrição no Brasil.

A preocupação está no uso excessivo, de forma indiscriminada que é muito comum, principalmente para quem deseja manter o peso. Uma série de produtos do nosso dia-a-dia contém edulcorantes, como os alimentos diet e light.

Adoçantes à base de:

- SACARINA - deve ser restrita por se mostrar permeável à placenta, isto é, ela passa na placenta chegando ao feto, e é pouco excretada pelo feto. O aumento deste produto está associado com tumores malignos e prejuízo no crescimento de crianças.

- CICLAMATO – algumas evidências mostram se relacionar com um menor ganho de peso fetal.

A tabela abaixo refere-se a quantidade limite para o uso dos diferentes edulcorantes. Cuidado com as quantidades, leia com atenção os rótulos dos alimentos!

LIMITES PERMITIDOS
Fonte: Organização Mundial da Saúde
Edulcorante Limite (mg/kg)
Acessulfame-K 15
Aspartame 40
Ciclamato 11
Frutose não existe limite
Sacarina 5
Estévia 5,5
Sucralose 15
Xylitol, Manitol, Sorbitol 15
Alitame 1
Glocosídeos de Esteviol 2
Neotame (ainda não aprovado no Brasil) 2

A melhor orientação é uma alimentação saudável na gravidez. Se a dieta na gravidez estiver adequada o uso de adoçantes poderá ser cortado.

Referências

Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso).

American Dietetic Association.

Benefícios do aleitamento para a recuperação do peso pré-gestacional

31-jul-11

Profa. Ms Gizele Monteiro

Diretora e idealizadora do programa de exercícios Mais Vida Gestantes

 

Será que a amamentação pode auxiliar na perda de peso no pós-parto?

Essa é uma questão que pode ajudar a mulher que está na dúvida de amamentar ou não para perder o seu peso. Algumas mulheres ainda acham que a amamentação irá fazer com que seu peso não retorne rapidamente.

Uma excelente fonte de pesquisa para esse esclarecimento é o artigo publicado pela Dra. Marina F. Rea.

Rea MF. Os benefícios da amamentação para a saúde da mulher. J. Pediatr. RJ), 2004, 80(5supl): S142-S146.

Segue “parte do artigo” que mostra os benefícios do aleitamento materno no retorno do peso pré-gestacional.

Recuperação de peso pré-gestacional

Sabe-se que a mulher adulta com atividade física moderada necessita de 2.000 a 2.200 calorias e de 40-45 g de proteína por dia para a manutenção de seu peso e metabolismo. Quando lactante, é necessária uma quantidade adicional de 500-640 calorias e de cerca de 16 g de proteína. Como, na gravidez, acumulam-se reservas da ordem de 100-150 calorias por dia, a mulher muitas vezes termina a gestação com sobrepeso. Assim, de maneira geral, a mulher volta ao peso pré-gravidez após algum tempo, que é variável. No puerpério, quando o organismo da mulher está preparado para lactar, qual seja, produzir leite materno, nem sempre ela consome a quantidade necessária de calorias para produzir o leite que o bebê ingere. Se estiver amamentando, o organismo irá retirar aquela reserva acumulada para fabricar o leite materno42. Se a amamentação for exclusiva, ou seja, se todas as calorias que o bebê estiver consumindo forem de origem materna, a quantidade retirada da mãe maior será43. Assim, se a mãe pára de amamentar precocemente, conserva as calorias que seriam usadas para fabricar leite materno. A puérpera, então, conservará o peso ganho na gestação e demorará mais tempo para voltar ao peso pré-gestacional.

Em regiões pobres, onde muitas vezes uma gravidez se segue à outra, o acúmulo de peso do ciclo gravídico puerperal pode contribuir para a obesidade nas mulheres adultas. A prática da amamentação exclusiva por 6 meses, conforme a recomendação da Organização Mundial da Saúde, contribui para uma perda de peso da mãe mais rápida38-40. Em estudo longitudinal realizado com 312 mulheres do sul do Brasil, Gigante et al. mostraram que as mulheres que amamentaram de 6 a 12 meses apresentaram os menores índices de massa corpórea e medidas de prega cutânea. Além disso, as que amamentaram de forma exclusiva ou predominante tenderam a ser mais magras do que as que amamentaram parcialmente ou não amamentaram43.

Motil et al., numa pequena amostra nos Estados Unidos, ao comparar mulheres lactantes com não-lactantes e nulíparas, notaram que, embora as lactantes apresentassem mais gordura corpórea até 18 semanas pós-parto, elas perdiam peso lenta e gradualmente até os 12 meses. Ao final de 1 ano, as pregas cutâneas dos três grupos de mulheres não diferiram significativamente44.

É importante salientar que já foi demonstrado que a perda de peso das mulheres lactantes em amamentação exclusiva, que pode chegar a 500 g por semana entre a quarta e a 14ª semana, não interfere no crescimento dos bebês45.

Link para acessar o artigo: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0021-75572004000700005&script=sci_arttext

Exercícios na Gravidez – Estética ou Saúde?

31-jul-10

Profa. Ms Gizele Monteiro

Este é um tema bastante polêmico Exercícios na Gravidez – Estética ou Saúde? Mas antes de aprofundarmos nesta questão vamos abordar a relação da importância do exercício.

pregnantballÉ fato que o interesse das pessoas em realiza exercícios  concentra-se muito mais na questão estética que a saúde. Deveria ser o contrário, mas é uma realidade moderna onde desde cedo a mídia influencia a maneira que vemos nosso corpo e como temos que ser para estar dentro de um padrão.

Isso não tira o crédito e os benefícios que acompanham quem ingressa num programa de exercícios, qualquer que seja seu objetivo. Se bem orientado, juntamente com a estética, alia-se a saúde. E se analisarmos, mesmo que a pessoa busque por exemplo o emagrecimento por questão estética, o próprio efeito que ela deseja melhora a sua saúde. Se a pessoa pretende definir o seu corpo … aliado a esse efeito vem a melhora da postura, qualidade de movimento, diminuição de dores por origens posturais, etc, etc …

DURANTE A GRAVIDEZ … muitas mulheres também buscam o exercício pela mesma, questão, a estética… controlar o seu peso. Da mesma forma, um programa bem orientado promoverá uma série de benefícios e esse controle do ganho de peso também está aliado a melhora da saúde dela e prevenção de desconfortos e doenças associadas ao ganho de peso excessivo.

O problema começa quando o profissional ou  a atividade que a gestante busca não respeitam as novas condições fisiológicas e biomecânicas da mulher em período gestacional, levando a uma sobrecarga cardíaca ou muscular, que podem interferir na saúde e formação do bebê e também podem originar lesões e aumento de dores na mamãe.

Por isso, a preocupação com a boa forma durante a gestação é uma questão de saúde, tanto para a futura mamãe quanto para o bebê.

O exercício na gravidez bem orientado pode aliviar vários desconfortos como inchaço nas pernas, dores nas costas e problemas de postura. Tudo é ligado ao peso a mais, alterações fisiológicas e biomecânicas.

Escolher o que fazer, no entanto, exige cautela. “Por mais saudável que a mulher seja, a gravidez requer cuidados especiais” e portanto precisa de um profissional especializado e que tem condições de oferecer um serviço diferenciado.

Hoje temos programa e profissionais especializados:

força bola gestante- Personal Gestante – profissional especializado em exercícios para gestantes, como elaboaração de programa especifico para cada trimestre, cada gestante com base nos dados obstétricos – biomecânicos, fisiológicos (controle da freqüência cardíaca, pressão arterial durante o exercício físico)

- Ginástica para Gestantes – programa de exercícios localizados, posturais e alongamento direcionados para o período gestacional. Esse programa também pode ser desenvolvido de forma individual adaptando-se o exercício para cada gestante.

- Hidrogestante - aulas de hidroginástica direcionada apenas para gestantes – o programa também é modificado em sues movimentos, há o acompanhamento de parâmetros fisiológicos.

Gestantes em condições especiais também podem ser atendidas:

0,,16058446,00- atividades especificas para gestantes de alto risco – hipertensão, diabetes, grávida de gêmeos. O acompanhamento é mais detalhado em casos de gravidez de risco  os exercícios são mais leves do que os aplicados para outras gestantes e cuidados específicos são importantes para estas futuras mamães

A liberação do obstetra é fundamental.

Mais Vida Gestantes – atendimento diferenciado para clientes diferenciadas.

Fone: 2867.3307 / 7871.4162

Paladar na Gestação

06-abr-10
Por Gizele Monteiro – Personal Gestante

A mudança do paladar na gestação é algo bem comum. Vários alimentos amados passam a ser desconsiderados e vários odiados passam a ser consumidos.

Grávidas trocam chocolate por limão, diz obstetra

FABIANA SERAGUSA
colaboração para a Folha Online

Patrícia Ribeiro era daquelas chocólatras de carteirinha, que não deixava de comer ao menos um pedacinho de doce por dia. Quando estava grávida de Alice, hoje com dois anos, ela enjoou de chocolate e passou a incluir jiló, mostarda e limão em sua lista de “necessidades” diárias.

SXC
Grávidas sentem desejo de comer limão, por conta da produção hormonal
Grávidas sentem desejo de comer limão, em razão dos hormônios do período gestacional

Karen Santana também sentiu muita vontade de comer tudo com mostarda durante a gravidez, mas garante que sempre odiou o condimento. O ginecologista e obstetra José Bento de Souza diz que alimentos ácidos e azedos são os preferidos das mamães, e que o grande campeão é a vontade de chupar limão. “Os alimentos ácidos melhoram a sialorreia (aumento da secreção salivar) e diminuem a náusea”, explica.

Segundo o médico, possíveis edemas encontrados nas papilas gustativas –responsáveis pela distinção do sabor dos alimentos– contribuem para estas vontades recorrentes.

Enquanto uns acham que os desejos das grávidas são apenas “frescura”, outros acreditam que realmente há uma explicação científica. O especialista conta que “a medicina não conhece todas as respostas hormonais do corpo humano”, mas que, “muito provavelmente, a gestação provoca mudanças nos hábitos alimentares, por conta da alta produção hormonal”. Até porque 100% de suas pacientes relatam essa alteração.

Mas não é só de limão e mostarda que vivem as grávidas. Thaysa Araújo, por exemplo, ficou louca por Fanta –mas diz que antes também não gostava nada, nada. Carolina Mendes odiava ovo, mas chegou a comer uma caixa inteira em uma semana. E Priscila Bastos não passava um dia sem se esbaldar com pratos fartos de escarolas e espinafres.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/comida/ult10005u715834.shtml

Riscos da Obesidade na Gravidez

23-nov-09

Profa. Ms Gizele Monteiro

Antes de comentar sobre os riscos da obesidade na gravidez, gostaria de abordar sobre obesidade. Hoje a obesidade é um tema de preocupação mundial. A gravidez é um momento marcante na vida da mulher e todos os cuidados são importantes, tanto do ponto de vista nutricional, quanto na mudanças no estilo de vida e aderência ao exercício. Muitas mulheres desenvolvem sobrepeso e obesidade nessa fase.

O estudo desenvolvido pelos autores Mendonça e colaboradores em 1997 em gestantes obesas que foram atendidas em maternidades näo-governamentais, maternidades governamentais e em clínica privada, totalizando 250 gestantes, já mostrava a importância para a saúde da mulher e do bebê.

Os autores observaram que:

- gestantes obesas apresentam elevados índices de recém-nascidos grandes para a idade gestacional, têm alta freqüência de Doença Hipertensiva Específica da Gravidez, como também são constantes os casos de Diabetes Melittus.

- os trabalhos de parto são demorados, e face ao peso dos conceptos, são frequentes as lacerações do trajeto, como também as feridas perineais, que se infectam com facilidade, sendo elevados os casos de infecções da parede abdominal causadas pela deficiente higienizaçäo das gestantes.

Os autores concluem que a obesidade em gestantes deve ser controlada com regime dietético adequado, e por ser frequente o parto distócico, recomendam a prevalência da cesariana em primigestas obesas com macrossomia fetal, aconselhando, ainda que a anestesia preferida deve ser a de condução, e por fim, que a gravidez em mulheres obesas deve ser considerada de risco elevado.

Mendonça et al (1997). Obesidade e gravidez / Obesity and pregnancy. J. Bras. Ginecol. 107(1/2):17-22.

Ganho do peso na gravidez: é preciso, sim, ganhar peso

20-out-09

Profa. Ms Gizele Monteiro – Personal Gestante – Exercícios na Gravidez e Pós-parto

Idealizadora do programa Mais Vida Gestantes

GANHO DE PESO NA GRAVIDEZ – saiba mais!

Uma enquete realizada no no site da Revista CRESCER mostra que a maioria das grávidas não quer engordar nem o recomendável pelos médicos. Veja os resultados:

Como você cuida do peso durante a gravidez?

18% – Estou tentando perder peso

50% – Tento manter o peso inicial

32% – Pretendo ganhar a quantia indicada pelo obstetra

Se você engravidou e estava com peso adequado, não precisa – nem deve – se preocupar em perder ou manter o peso de antes. Esse é o único momento da vida em que a expectativa é que você aumente o seu peso mesmo (na medida certa, claro).

Uma enquete com cerca de 60 mulheres no site CRESCER mostra que a maioria não quer “engordar” nem o recomendável, o que pode prejudicar o bebê.

Parte do peso ganho durante a gravidez está relacionado ao peso do bebê e outras estruturas e mudanças como: placenta, aumento do volume de sangue, etc.

Em média, você deve ganhar de 9 a 12 kg na gestação. Se engordar menos de 5 kg, seu filho pode desenvolver alguma doença no futuro. E se engordar demais, pode ter diabetes, diz Flávio Garcia de Oliveira, obstetra. Mas a regra não vale para todas. Quem estava muito abaixo do peso antes de engravidar pode precisar ganhar mais quilos e vice-versa.

O importante é manter a saúde da mamãe e do bebê!

Lembramos que exercícios físicos são um meio de auxiliar no ganho de peso adequado, evitando a obesidade e doenças relacionadas ao ganho de peso excessivo durante a gravidez! UM PROGRAMA GESTANTE PODERÁ AUXILIAR.

Veja as matérias em nosso site que explicam mais sobre o peso na gestação:

Controle do ganho de peso: http://metodomaisvida.com.br/conteudo/2//2009/05/26/controle-do-ganho-de-peso-durante-a-gestacao-–-beneficios-do-exercicio/

Cálculo para ver se o ganho de peso está adequado: http://metodomaisvida.com.br/conteudo/2//2009/10/12/calculo-de-ganho-de-peso-durante-a-gravidez/

(Redação Crescer - http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI64243-10563,00-E+PRECISO+SIM+GANHAR+PESO+DURANTE+A+GRAVIDEZ.html)