Conteúdos sobre Alimentação na gravidez

Alimentação na gravidez e prevenção da depressão no pós parto

12-jun-09

Grupo Stancanelli – Mirtes Stancanelli, Erica Tatiana e Emy Takahashi

Estudos tem mostrado que uma boa alimentação na gravidez pode prevenir a depressão no pós-parto.

A depressão é uma doença que pode ocorrer em qualquer pessoa e merece muita atenção e cuidado.

Às vezes, a depressão é gerada por um episódio emocional grave, como divórcio, morte de entes queridos, ou pode aparecer aparentemente por nada. Ela também pode ocorrer durante as fases de mudanças da vida como na adolescência, terceira idade, ou na gestação, principalmente no pós-parto.

Alguns estudiosos acreditam que a alimentação tem uma participação importante para evitar a depressão.


Como uma boa alimentação na gravidez pode auxiliar na prevenção da depressão?

- Cuidado com o alto consumo de açucares, cafeína e álcool ao longo dos trimestres de gestação;

- Prefira alimentos que contenham baixos teores de gordura. A gordura inibe a síntese de neurotransmissores no cérebro promovendo maior probabilidade à depressão;

- Vitaminas do complexo B são importantes para aqueles que querem se manter física e emocionalmente mais saudáveis. O complexo vitamínico B é importante para produção de serotonina (que influi na regulação do humor). Muitas drogas que incluem o estrógeno podem interferir na absorção de vitamina B6. Na gestação esses hormônios estão elevados para produzir as mudanças gestacionais. Os grupos de verduras, legumes e frutas são ricos nestas vitaminas, intensifique-os na alimentação;

- Uma alimentação pobre em Ômega 3 deixa o sistema nervoso mais vulnerável à depressão. O Ômega 3 é encontrado em peixes como bacalhau, salmão, arenque e em menores concentrações na soja, castanha e óleo de canola;

- Alimentos que auxiliam no tratamento da depressão: banana, verduras, frutas e peixes.

A prática de exercícios físicos bem como o apoio familiar e uma alimentação equilibrada ajudam a diminuir a ansiedade e também a combater a depressão.

USO DA VITAMINA C DURANTE A GRAVIDEZ

26-mai-09

Nutricionista Mirtes Stancanelli (Doutorado pela UNICAMP)

O uso da vitamina C durante a gravidez deve seguir alguns cuidados.

As concentrações no sangue de vitamina C durante a gravidez diminuem em conseqüência da transferência ativa para o feto ou de uma perda renal aumentada.

Esta diminuição pode estar associada ao maior risco de infecções, à ruptura prematura das membranas ao parto prematuro e à eclâmpsia.

A recomendação de vitamina C na gravidez é de aproximadamente 85mg/dia. As frutas, os vegetais e as sementes são boas fontes, mas como o nutriente se perde facilmente a sua concentração em alimentos vegetais pode variar de acordo com a estação do ano, o transporte, o tempo de permanência na prateleira, a estocagem e as formas de preparo e cozimento. Por isso deve-se consumir as frutas na forma in-natura e os vegetais o mais rápido possível.

Se você consumir cinco porções de frutas e vegetais variados por dia, ocorrerá a ingestão de aproximadamente 200 a 300mg/dia de vitamina C.preg aeting

Estudos estão mostrando que a alimentação equilibrada e o consumo de certos alimentos podem ajudar na elasticidade, hidratação e firmeza da pele, reduzindo o surgimento de rugas, manchas senis e estrias, este último com surgimento muito comum na gravidez.

Algumas outras funções são importantes: é essencial na formação do colágeno e proteínas que é importante para o crescimento e reparo dos tecidos do corpo, é indispensável para o metabolismo de absorção do ferro e da formação de hemoglobina (glóbulos vermelhos do sangue), combate o estresse e evita a formação de nitrosaminas (substâncias que podem causar câncer no aparelho digestivo), tem função antioxidante e fortalece o sistema imunológico.

Mas cuidado pois o excesso também tem seus efeitos colaterais como diarréia e pedras nos rins. Pelo fato de aumentar a ingestão de ferro, doses muito altas podem levar a um excesso de ferro intoxicando o organismo.

GRAVIDEZ EM FORMA!

É interessante você analisar em sua alimentação se você está inserindo alimentos que contém esse nutriente, assim como outros também.

Para informações do como ter uma alimentação saudável cadastre-se no site www.gravidezemforma.com.br e receba as dicas que a personal gestante Gizele Monteiro elaborou especialmente para sua gravidez.

***Se você não tem uma alimentação adequada procure ajuda de uma nutricionista especializada no atendimento à gestantes. NÃO use vitamina C durante a gravidez sem orientação do seu médico ou nutricionista.

Informações e Contato: gizele@metodomaisvida.com.br | Fone: (11) 9 9651.8909.

O uso de adoçantes na gestação

26-abr-09

Mirtes Stancanelli

es Alguns testes feitos em camundongos resultaram em câncer na bexiga dos animais. Não é comprovado o risco em seres humanos, mas os estudos com animais incentivaram a proibição dos adoçantes em alguns países e sua restrição no Brasil.

Adoçante na gestação

Adoçante na gestação

A preocupação está no uso excessivo, de forma indiscriminada que é muito comum, principalmente para quem deseja manter o peso. Uma série de produtos do nosso dia-a-dia contém edulcorantes, como os alimentos diet e light.

Adoçantes à base de:

- SACARINA – deve ser restrita por se mostrar permeável à placenta, isto é, ela passa na placenta chegando ao feto, e é pouco excretada pelo feto. O aumento deste produto está associado com tumores malignos e prejuízo no crescimento de crianças.

- CICLAMATO – algumas evidências mostram se relacionar com um menor ganho de peso fetal.

A tabela abaixo refere-se a quantidade limite para o uso dos diferentes edulcorantes. Cuidado com as quantidades, leia com atenção os rótulos dos alimentos!

LIMITES PERMITIDOS
Fonte: Organização Mundial da Saúde

Edulcorante

Limite (mg/kg)

Acessulfame-K

15

Aspartame

40

Ciclamato

11

Frutose

não existe limite

Sacarina

5

Estévia

5,5

Sucralose

15

Xylitol, Manitol, Sorbitol

15

Alitame

1

Glocosídeos de Esteviol

2

Neotame (ainda não aprovado no Brasil)

2

Antes do uso de qualquer adoçante converse com seu médico e peça orientação profissional.

Referências

Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso).

American Dietetic Association.