Orientação especializada de exercícios para gestantes: Gizele Monteiro, diretora do Mais Vida Gestantes, entrevistada na EPTV.com

Entrevista da Profa Gizele Monteiro para Bem Viver – EPTV.com – Campinas (Globo.com)

Grávidas só devem praticar exercícios físicos sob orientação

Profissionais orientam gestantes a buscarem ajuda profissional

21/01/2011 – 06:30

EPTV.comEdison Souza

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou o Censo 2010 no qual ficou constatado que a população brasileira já ultrapassa dos 190 milhões de habitantes. Outro dado revelado pela pesquisa é que a adoção de métodos anticoncepcionais mais eficientes reduziram o número de mulheres grávidas.

A entrada da mulher no mercado de trabalho, também contribuiu para a diminuição no número de filhos por casal já que, enquanto nas décadas de 50-60 uma mulher tinha de 4 a 6 filhos, em média, hoje em dia um casal possui um ou dois filhos, no máximo. Mas a população segue crescendo e segundo as estimativas, no ano de 2025, a população brasileira deverá atingir 228 milhões de habitantes.
 

Gizele MonteiroDe olho nas gestantes e nas exigências deste público-alvo, alguns profissionais se especializaram em oferecer às futuras mamães um período de gestação com mais qualidade.Este é o caso da professora de educação física Gizele Monteiro, que desenvolveu um método específico para atender gestantes. Autora do livro “Treinamento da Flexibilidade, sua aplicabilidade para a saúde”, a especialista ministra em todo o país um curso sobre “Alongamento e Flexibilidade e Prescrição de Exercícios na Gravidez.” De acordo com Gizele, sempre que for possível, é necessário que a gestante procure um atendimento personalizado na hora de praticar exercícios físicos, ou seja, deve adotar um “personal gestante” já que o período gestacional envolve a fase pré-gravidez, gravidez e pós-parto.
 

A profissional destaca que quer seja em grupo ou de maneira individual, a gestante deve ter cuidados específicos em todas as mudanças fisiológicas, biomecânicas (posturais e músculo-esqueléticas) do período gestacional. Na opinião da especialista qualquer mulher no período de gestação pode praticar exercícios físicos, “Se houver a liberação médica ela pode fazer exercícios. O médico atestará a real saúde da gestante. Após isso, ela estará liberada para ser orientada para a realização de exercícios, adequados à condição física dela e também levando-se em conta o seu histórico anterior, isto é, se ela era ativa (já realizava exercícios antes de engravidar) ou sedentária (nunca realizou exercícios ou está por longo período de tempo sem nenhuma atividade físicaparada). Na academia ela deve procurar por um programa de gestantes, afinal o programa de ginástica para gestantes não é uma aula de ginástica comum,” destaca Gizele..
Prevenção
 

A professora Gizele enfatiza que  a mulher que deseja engravidar necessita da assessoria de um profissional que vai preparar o corpo dela fisicamente para cada momento (músculos posturais, debilidades de força e flexibilidade), vai se preocupar com a condição aeróbica, a musculatura do assoalho pélvico, entre outros detalhes. Nesse programa podem ser incluídas mulheres que precisam ou desejam emagrecer para engravidar, mulheres que possuem diabetes ou hipertensão e precisam controlar sua doença antes de engravidar. Essas doenças são risco para a mãe e o bebê.

Para a gestante, a especialista destaca que a prescrição será organizada conforme os trimestres gestacionais, independente da atividade que irá realizar. O programa é planejado pensando nas mudanças a cada trimestre mas também nas individualidades, queixas ou necessidades individuais. Deve haver sempre uma orientação adequada em relação às regiões que são propicias ao aparecimento de dores como as costas, punhos e tornozelos.
Já no pós-parto, período de sensibilidade profunda da mulher, o retorno das funções fisiológicas, biomecânicas, posturais são também respeitadas pelo programa podendo também serem programados alguns exercícios com o bebê. DE qualquer forma deve-se ressaltar que as grávidas somente podem realizar a prática de exercícios físicos se forem liberadas pelo médico.
 

Duração do programa

Sobre o tempo em que a gestante ficará sob os cuidados de um profissional da área, Gizele recomenda que no período pré-gravidez o tempo necessário para atingir o objetivo irá depender de cada caso. “Recomendamos o mínimo de 3 a 4 meses se forem casos simples como leve perda de peso ou apenas fortalecimento muscular. Para emagrecimento em casos de obesidade ou controle de doenças seria interessante o mínimo de 6 meses para que o programa também possa ter um efeito do exercício no organismo da mulher”, afirma a especialista.
Para as gestantes que eram sedentárias antes da gravidez os médicos costumam liberar após o terceiro mês e, no pós-parto, a duração do período da prática de exercícios pode durar até 1 ano, porém o mais comum é em torno de 6 meses.
 

Destaca-se aqui que o exercício bem orientado, com intensidade e volume adequados promove efeitos positivos para a mãe e o feto. Porém o exercício mal orientado pode colocar em risco a mãe e o bebê. Intensidade e volume elevados podem comprometer o aporte sanguíneo que o bebe recebe diminuindo o seu alimento e oxigenação. Deve-se dar atenção a qualquer mal-estar materno pois isso pode significar que alguma coisa está demais ou até mesmo que a gestante não está bem naquele dia. Além disso, dependendo do exercício, as articulações podem ficar sobrecarregadas favorecendo o aparecimento de leões.

Vale a pena destacar que o preço de aulas em academias variam de acordo com a localização ou até mesmo com o gabarito dos instrutores. Por outro lado, em muitas cidades, as secretarias de promoção social oferecem programas gratuitos de assistência a gestantes que são acompanhadas até o pós-parto. Verifique se na prefeitura de sua cidade se existe algum programa deste tipo.

Confira alguns exercícios recomendados pelos profissionais entrevistados para esta reportagem:

Exercício localizado adaptado para substituir a cadeira flexora
• Fortalecimento dos isquitibiais. O movimento deve ser realizado com o joelho do segmento de base em semi-flexão. O apoio na bola é uma forma de manter o alinhamento corporal e o controle para não tensionar a região lombar, para isso o corpo deve ser pressionado contra a bola.
 

Exercício localizado para extensão do quadril
• Fortalecimento do músculo glúteo máximo. Este exercício pode ser utilizado como um substituto para os exercícios em máquinas e polias, uma vez que a maioria deles a gestante não consegue executar devido o volume abdominal e posição inadequada..Nesse exercício pode usar uma banda elástica. A gestante projeta o seu tronco à frente e apóia seus braços num espaldar, em uma altura em que fique confortável e não comprometa a postura do tronco.

• O joelho da perna de base deve estar levemente flexionado, também para melhor posicionamento de tronco e pelve.A extensão do quadril deve ser limitada para não realizar juntamente o movimento da região lombar. Apesar do fortalecimento do músculo glúteo ser um dos indicados para prevenção e diminuição de dor na região pélvica, gestantes que apresentem dor nessa região devem reduzir a carga ou parar de executá-lo.Para se reduzir a carga nesse exercício com banda elástica, deve-se optar por uma cor com menor tensão elástica ou não se utilizar a banda.
 

Exercício Localizado adaptado da Remada Sentada
• A remada sentada pode ser adaptada usando-se uma banda elástica ou elástico. O exercício é realizado tracionando-se esse material e com os mesmos cuidados do exercício no aparelho de musculação, sendo uma variação quando não há a possibilidade de realizar os exercícios com aparelhos. A coluna deve estar alinhada e a tração ser realizada mantendo-se a ação nos músculos das costas e também o abdômen contraído.

Outras dicas

• Alongamento: Ajuda a manter a musculatura relaxada e o controle da respiração;
• Andar de bicicleta: não há restrições, salvo pela preocupação com quedas. A bicicleta ergométrica também é recomendável;
• Caminhada: costuma ser o mais indicado, já que é muito boa para a preparação ao parto, melhora a capacidade cardiorrespiratória e favorece o encaixe do bebê na bacia da mãe. O ideal é caminhar três vezes por semana, cerca de 30 minutos.
• Ginástica: A gestante pode fazer ginástica durante o decorrer da gestação. Deve-se apenas evitar o exercício nas primeiras dez ou doze semanas;
• Hidroginástica: é a mais indicada para as gestantes, pois favorece o relaxamento corporal, reduze as dores nas pernas e o inchaço dos pés e mãos. Deve-se ter cuidado com a temperatura da água, a qual deve estar entre 28º e 30º C.

• Importante verificar se o sentar-se no colchonete está confortável para a gestante. Uma vez que a região dos ísquios e púbis pode ficar muito sensível, deve sempre se ter a opção de uma alteração na realização do exercício. Pode-se realizá-la posicionando a gestante sentada num banco. Essa variação é válida também ao final da gestação se houve dificuldade da gestante sentar-se ao solo.

• Deve-se  destacar mais uma vez os exercícios só devem ser aplicados sob liberação do médico e sob a orientação de um profissional gabaritado para esta finalidade.
 

Informações adicionais:
http://www.gizelemonteiro.com.br/