Amamentação reduz chances de síndrome metabólica

Profa. Ms Gizele Monteiro

Diretora do Mais Vida Gestantes

 

No início da Semana Mundial do Aleitamento Materno (01 a 07 de agosto), estaremos fazendo uma série de artigos e destacando a importância da amamentação para a mãe e o bebê.

Entre em nossa área AMAMENTAÇÃO  e leia matérias interessantes sobre o tema.

 

Amamentação reduz chances de síndrome metabólica

 

O estudo publicado no American Diabetes Association Journal mostra a relação benéfica para as mulheres.

 mulher-amamentacao-seio-436

O aleitamento materno é essencial para os bebês. E, segundo estudo publicado no American Diabetes Association Journal, também beneficia as mães, reduzindo os riscos de diabetes e de doenças cardíacas.

Os motivos não estão claros, mas o estudo conduzido pelo Kaiser Permanente’s Division of Research in Oakland sugere um efeito protetor do aleitamento não só nos bebês. Mães que amamentaram por até cinco meses reduzem o risco futuro da síndrome metabólica em até 39%

De modo geral, a síndrome metabólica é um aglomerado de fatores de risco que predispõem as pessoas a diabetes e doenças cardíacas, como excesso de gordura, colesterol, triglicérides e pressão arterial elevados.

“A lactação tem efeitos favoráveis na saúde cardio-metabólica das mulheres”, diz o estudo.

Os resultados foram ainda melhores para amamentações de até nove meses, reduzindo a doença em até 56%. Mulheres que desenvolveram diabetes durante a gravidez também diminuem os ricos futuros com o aleitamento.

A síndrome metabólica era conhecida como síndrome X e engloba uma série de problemas. Os principais são: diabetes, hipertensão, níveis altos de colesterol ruim, ácido úrico elevado e obesidade.

O artigo abaixo é uma revisão sobre o tema: 

Gabriela N. Leal, Hugo Issler, Sandra J. E. Grisi, Jose Lauro Ramos. O papel do aleitamento materno na prevençã da síndorme metabólica. Pediatria, 30(2):118-123, 2008. aleitamento prevencao sindrome metabilica