Exercício na gravidez

Por Gizele Monteiro

Manter uma rotina regular de exercícios na gravidez pode ajudar você a ficar mais saudável. O exercício na gravidez pode melhorar sua postura e diminuir alguns desconfortos comuns, tais como dores nas costas e fadiga. Há evidências científicas de que a exercício físico pode prevenir o diabetes gestacional, aliviar o stress físico e mental, e desenvolver a resistência necessária para o parto.

Orientações básicas para fazer exercícios na gravidez

  • Se você foi fisicamente ativa antes de sua gestação, você deve ser capaz de continuar a sua atividade com intensidade moderada.
  • Recomendamos que não tente se exercitar em seu nível de aptidão física anterior, em vez disso, faça o que é mais confortável para você agora.
  • Os exercícios aeróbicos de baixo impacto como a caminhada são são os exercícios mais indicados para este momento.
  • Se você nunca se exercitou antes, você pode seguramente começar um programa de exercícios na gravidez após a liberação do seu médico. Novamente recomendo a caminhada como sendo uma atividade segura para iniciar durante a gravidez.
  • O Colégio Americano de Obstetrícia e Ginecologia recomenda 30 minutos de exercícios moderados por dia todos os dias da semana, se não tiver uma complicação médica ou gravidez. No início de um programa todos os dias pode causar algum desconforto muscular principalmente para iniciantes. Recomendo 2 a 3 vezes semanais no início da programação.

Em caso de algum desconforto ou sintoma indesejado interrompa o exercício.





Dieta e Gravidez

Dieta e gravidez parece não ser uma combinação interessante, pois o termo dieta vem sendo empregado como estratégia para perda de peso. Segue um texto muito interessante sobre este tema. Boa leitura!

Por Michael Roizen

Embora existam certamente exceções a qualquer regra, em geral, as mulheres não devem fazer dieta durante a gravidez. Existem várias razões para isso. Em primeiro lugar, o ganho de peso é uma parte essencial de uma gravidez saudável para a maioria das mulheres. Além disso, a dieta pode resultar em privar o seu bebê em desenvolvimento dos nutrientes de que necessita para sobreviver e prosperar.

Ganho de Peso na Gravidez

Durante a gravidez, a maioria das mulheres precisa de ganhar peso. Se você fosse de uma composição corporal saudável antes de engravidar, seu obstetra provavelmente vai aconselhá-lo a ganhar de 12 a 15 quilos ao longo de sua gravidez, explicam os drs. Michael Roizen e Mehmet Oz no seu livro “Você: vai ter um bebê.” Mulheres que estão abaixo do peso antes de engravidar podem precisar ganhar um pouco mais de peso, enquanto aquelas que estavam acima do peso podem precisar ganhar menos – ou até não precisam de ganhar.

Qual é o peso?

Enquanto isto pode ser desconcertante para algumas mulheres ver os números sobre o aumento de peso de forma dramática durante a gravidez, vale lembrar que não todo o peso que você está ganhando é gordura. Para um ganho de peso normal, você realmente deve ganhar menos de 7 quilos de gordura corporal, explica a Associação Americana de Gravidez. O peso restante inclui o bebê, a placenta e o líquido amniótico, o aumento de peso do seu útero e os seios e uma variedade de outras coisas, como aumento do volume sanguíneo.

Riscos em fazer dieta na gravidez

Na dieta para perda de peso, por definição, você está fornecendo a suas células menos nutrientes que eles precisam se sustentar. Isso força o seu corpo para puxar das suas reservas de gordura para compensar a diferença de energia. O feto não tem reservas de gordura devido seu desenvolvimento, portanto significa que é muito fácil criar deficiências nutricionais em seu bebê em desenvolvimento, negando-se calorias. Além disso, quando você limitar calorias, você também limitar as vitaminas, que são críticos para o desenvolvimento fetal.

Diretrizes Gerais

Em geral, se você estiver preocupada com seu peso durante a gravidez, converse com seu obstetra. Muitos médicos preferem que você faça uma dieta saudável, equilibrada e, ou procurar a reduzir a taxa na qual você está ganhando peso ou evitar ganhar peso de forma excessiva ao invés de tentar perder peso durante a gravidez.

“You: Having A Baby”; Michael Roizen, M.D. and Mehmet Oz, M.D.; 2009





Atividade física na gravidez

Por Gizele Monteiro

A seguir, alguns conselhos sobre a atividade física na gravidez:

• Após 16 semanas de gravidez, tomar cuidado na realização dos exercícios na posição decúbito dorsal (deitada de costas). Isto porque um dos seus principais vasos sanguíneos em seu corpo (chamado de veia cava) pode ser pressionado pelo bebê que está crescendo, se você se mantrr nesta posição. Isso pode fazer você se sentir tontura e possivelmente, desmaiar.

• Especialistas também recomendam que você deve ter cuidado se você está pensando em atividades onde possam ser mais propensos a perder o equilíbrio e cair, ferindo seu abdômen, e, possivelmente, ferindo o seu bebê em desenvolvimento. Tais atividades incluem passeios a cavalo, esqui, hóquei no gelo e ciclismo.

• Com esportes de contato, você também tem a chance de ser atingida no abdómen. Estes esportes incluem squash, judô, boxe, kickboxing, etc. Esses esportes geralmente não são aconselhados durante a gestação.

Caminhar é uma atividade física muito boa se você está grávida. Natação também é boa. Aulas de e ginástica especificamente destinadas às mulheres grávidas também são muito interessantes. Se você está fazendo outros exercícios que não são indicados as mulheres grávidas, consulte um professor especializado em exercício e gravidez. Além disso, você deve sempre lembrar-se de aquecer e de fazer a volta à calma no início e final de cada sessão.





Diabetes Gestacional e sua influência para bebês grandes

Por Gizele Monteiro – Personal Gestante

diabetes gestacional é conhecido por aumentar o risco de ter um bebê grande, mas um estudo canadense mostra que as mulheres sem diabetes também tem risco aumentado para esta complicação.

Segundo o resultado, quanto maior o peso da mulher antes da gravidez, e quanto mais peso ganhou durante a gravidez, maior a chance dela dar à luz um a bebê grande. O problema é que isso pode gerar problemas de saúde para o bebê e a mãe. Em geral, os bebês que pesam mais de 4kg são considerados bebês grandes (ou macrossômicos).

Para descobrir o que contribui com o risco dessas mulheres terem bebês grandes, Retnakaran e seus colaboradores analisaram informações de 472 canadenses grávidas, sendo que 368 delas apresentavam níveis normais de glicose, e os outros 104 tinham níveis de glicose ligeiramente elevados.

68 dos bebês nascidos de mulheres no estudo foram considerados bebês grandes. Mulheres que estavam acima do peso antes de engravidar, e quem apresentou excesso no ganho de peso durante a gravidez, tiveram de 12 para 16% mais chances de ter bebês grandes.

Nessa pesquisa os níveis de glicose e de ácidos graxos no sangue, não aumentaram o risco da mulher ter um bebê grande comparado ao outro grupo, segundo os pesquisadores.

Há uma discussão para que os critérios para a classificação de uma mulher ter diabetes gestacional seja alterada. Em 2010, a Associação Internacional de Diabetes na Gravidez propôs reduzir os níveis para o diagnóstico de diabetes gestacional.

No entanto, baixando os critérios significaria que muitas mulheres grávidas iriam receber um diagnóstico de diabetes gestacional. Nos Estados Unidos, o percentual diagnosticado com diabetes gestacional aumentaria para 18%, segundo o Colégio Americano de Obstetrícia e Ginecologia, o qual não recomendou a adoção dos novos critérios.

Até que sejam feitas mais pesquisas sobre as causas que levam uma gestante a ter bebês grandes, reduzir o peso antes de engravidar e controlar o ganho de peso em mulheres grávidas são recomendações que auxiliam na saúde da mulher e do bebê.

Sabe-se que esse ganho de peso também contribui para outros fatores de risco na gestação e não somente para o diabetes gestacional.

Também o controle do diabetes gestacional, uma vez apresentado é importante para evitar bebês grandes.

Enquanto a comunidade médica e científica discute, é importante que médicos, educadores e fisioterapeutas que trabalham com a gestante não descartem esses riscos.

Pesquisas demonstram os benefícios preventivos do exercício físico para o ganho de peso excessivo e também para doenças como diabetes e hipertensão gestacional.

*Mais Vida Gestantes – programa de exercícios para Gravidez e Pós-parto





Que tipo de atividade física que devo fazer quando estiver grávida?

Por Gizele Monteiro

As mulheres grávidas devem fazer como forma de atividade física tanto a atividade aeróbica como a de fortalecendo muscular

Formas de Atividade física para a grávida:

• A atividade aeróbia é qualquer atividade física que faz o seu coração e os pulmões trabalharem , como por exemplo, caminhada rápida, natação, jogging ou dança. Algumas atividades físicas normais que fazem parte da sua rotina diária (atividades diárias) também pode ser classificada como atividade aeróbica. como exemplos incluem tarefas domésticas bastante pesado, subir as escadas, etc.

• A atividade física para fortalecimento muscular pode incluir subir escadas, andar para cima, levantar ou carregar compras, musculação, exercícios que usam grandes grupos musculares.

Os exercícios do assoalho pélvico também são importantes durante a gravidez e são recomendados para todas as mulheres grávidas. Eles podem ajudar a fortalecer os músculos de seu assoalho pélvico que pode vir sob pressão, enquanto você está grávida, e especialmente durante o parto.

O objetivo da atividade física durante a gravidez é para que você possa manter um nível de aptidão física boa durante toda a gravidez. No entanto, você não deve treinar para competições ou eventos desportivos.

Além disso, você precisa ter cuidado sobre o tipo de atividade física que você escolher para não correr o risco de qualquer dano a si mesmo ou seu bebê. Algumas mudanças ocorrem no seu corpo durante a gravidez. Por exemplo, alterações hormonais podem afetar os músculos e ligamentos. Devido a isso, as articulações podem ficar com maior mobilidade durante a gravidez. Se você não for cuidadosa e, dependendo do tipo de atividade física que você faz, isso pode aumentar sua chance de lesão.





Obesidade durante a gravidez e sua influência para ter bebês grandes

Por Gizele Monteiro

A obesidade durante a gravidez é o mais forte preditor de saber se uma mãe vai dar à luz a um bebê grande, sugere estudo do Canadense.

O estudo mostra que, quanto maior o peso da mulher antes da gravidez, e quanto mais peso ganhou durante a gravidez, maior a chance dela dar à luz um a bebê grande. O problema é que isso pode gerar problemas de saúde para o bebê e a mãe. Em geral, os bebês que pesam mais de 4kg são considerados bebês grandes (ou macrossômicos).

Ao mesmo tempo, os pesquisadores não encontraram nenhuma associação entre os níveis de glicose no sangue ligeiramente elevados (abaixo do nível necessário para classificar uma mulher como tendo diabetes gestacional) e uma chance maior de ter um bebê grande. Esta conclusão foi importante, uma vez que a American Diabetes Association reduziu recentemente os critérios para a diabetes gestacional, uma vez que muito mais mulheres seriam classificadas como tendo a doença. Os novos critérios ainda não estão sendo adotados por autoridades de saúde norte-americanas, no entanto, no Canadá onde o estudo foi realizado esses padrões mudaram.

Se o peso, ao invés dos níveis de glicose, passa a ser um dos fatores mais importante para a mulher ter um bebê grande, os critérios não podem ser alvo do problema adequado, disse o pesquisador Dr. Ravi Retnakaran de Mount Sinai Hospital, em Ontário.

As formas mais eficientes de reduzir os riscos, então pode ser: chegar a um peso saudável antes da gravidez, e evitar um ganho de peso excessivo na gravidez, disse Retnakaran. O pesquisador continua dizendo que “a taxa de obesidade cresceu tanto que talvez os níveis de glicose não sejam tão importantes e grandes como um fator de risco como anteriormente. No entanto, mulheres com diabetes gestacional, o controle glicêmico continua sendo muito importante.

Riscos na gestação de bebês grandes

Os riscos que a mãe e o bebê grande enfrentam são pouco conhecidos:

  1. ossos quebrados durante o parto
  2. aumento do risco para a obesidade na infância e adolescência
  3. as mães tem maior risco de sofrer complicações no parto e ter seu assoalho pélvico dilacerado,
  4. maior risco de cesariana e complicações pós-parto.




Nutrição na Gestação

Por Gizele Monteiro

Sem dúvida a nutrição na gestação, tem como meta estabelecer uma alimentação equilibrada.

Uma alimentação equilibrada e saudável na gestação é um dos maiores presentes que você dá ao seu bebê.

O ideal é adotar um plano de alimentação saudável antes da gestação, mas independente do período gestacional que você se encontra, nunca é tarde para começar!

O fornecimento de energia ao seu próprio corpo com uma mistura saborosa de alimentos nutritivos pode faze-la se sentir mais saudável durante a gestação, e pode ajudar a estabelecer bases essenciais de crescimento e de saúde geral para seu filho.

A comida que ingerimos diariamente afeta a forma como nosso corpo funciona, podemos nos proporcionar saúde e manter a energia e força para os próximos anos. Durante a gravidez ela também determina a saúde nutricional básica com que nossos filhos nascem e nos primeiros anos de infância, fornece um modelo para os seus hábitos alimentares durante a infância, podendo ser um modelo para a vida toda.

Portanto a gestação é o momento da sua vida que seus hábitos alimentares pode afetar diretamente outra pessoa.

A decisão de incorporar legumes, cereais integrais e leguminosas, proteína,  e outras escolhas sábias do alimento em seu programa alimentar antes e durante a gestação vai dar ao seu bebê um bom começo na vida.

*Não se esqueça de incorporar nesses novos hábitos saudáveis o exercício físico.





Atividade Física e Saúde

Por Artur Monteiro

A atividade física e sua importância para a saúde vêm sendo estuda a muito tempo. Pesquisadores como Cooper, Pollock, Malina, entre outros contribuíram e ainda continuam contribuindo. Parece ser uma unanimidade que um programa de exercícios deve conter três capacidades físicas: a resistência cardiorrespiratória, a força e a flexibilidade. Segunda as últimas recomendações do ACSM (American College of Sports Medicine) as atividades aeróbias deveriam ser realizadas no mínimo três vezes semanais com uma duração mínima de 30 minutos. Em entrevista cedida ao SportTV, o Dr. Cooper recomenda 30 minutos de atividade todos os dias.

Segue um resumo de orientação dos exercícios aeróbios:

- mínimo de três vezes semanais

- mínimo de 30 minutos

- intensidade entre 60 e 90%FCmax

Quais as vantagens em realizar esta forma de atividade física para a saúde?

Estudos realizados por Paffemberguer (1996) indicam que pessoas que realizam treinamento aeróbio regularmente aumentaram a longevidade e diminuíram a incidência de varias doenças, diabetes, hipertensão, algumas formas de câncer, etc.

No próximo post abordarei o treinamento de força e sua importância para a saúde.





Aula com o Prof. Ms. Alexandre Evangelista – Prescrição de Exercícios na Terceira Idade

Aula no Curso de Certificação Mais Vida – Prescrição de Exercícios para Grupos Especias com a Profa. Dra. Alexandre Evangelista. Para assistir o vídeo clique aqui.





Qual exercício emagrece mais?

Esta é uma das perguntas que mais escutamos. A vontade e a ansiedade para emagrecer levam as pessoas a procurarem o que oferece mais resultado. Podemos pensar que os melhores exercícios para emagrecer são aqueles que proporcionam um maior gasto calórico.

Considerações para classificar os exercícios que emagrecem mais conforme do gasto calórico:

  • Exercícios que envolvem maios quantidade de massa muscular (ex: caminhada, corrida, natação e ciclismo)
  • Intensidade do exercício (ex: a corrida consome mais energia que a caminhada por ser mais intensa)

Variáveis que influenciam o gasto calórico e consequentemente no emagrecimento:

  • massa corporal – indivíduos mais pesados consomem mais energia
  • sexo – os homens consomem mais energia que as mulheres proque possuem mais massa muscular
  • duração
  • intensidade

Para montar um programa de treinamento ideal devemos levar em consideração os aspectos citados. Espero que estas informações contribuam para esclarecer sobre os gasto calórico nos exercícios e emagrecimento.

Clique aqui e calcule o gasto calórico.